Início / Noticias / Pequenos provedores lideram crescimento de acesso à banda larga fixa em 2017

Pequenos provedores lideram crescimento de acesso à banda larga fixa em 2017

Os pequenos provedores lideraram o crescimento do acesso à banda larga fixa no país em 2017. Os dados foram divulgados hoje (29) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Segundo a agência, de janeiro a dezembro de 2017, na comparação com o mesmo período de 2016, houve um crescimento de 7,15% nos contratos de banda larga fixa no país, dos quais os provedores regionais foram responsáveis por 43,72%, com 1,28 milhão de novos contratos. Atualmente, existem no país 28,67 milhões de acessos de banda larga fixa, sendo 4,21 milhões relativos ao seguimento.

De acordo com os números divulgados hoje, a Paraíba foi o estado que apresentou o maior crescimento no número de contratos, na comparação com o ano passado.

O estado apresentou crescimento de 31,11%, com a entrada de 79,74 mil novos contratos de banda larga. Em seguida aparece o Ceará, com 148,99 mil novos clientes, aumento de 25,25%. O Rio Grande do Norte vem depois, com entrada de 66,35 mil acessos a sua base, aumento de 24,76%.

Em termos absolutos, São Paulo registrou a maior entrada com 313,50 mil novos contratos, um crescimento de 3,27%. Minas Gerais aparece em segundo, com 253,76 mil, ampliação de 9,68% e o Paraná, em terceiro, com 208,88 mil novos assinantes, aumento percentual de 11,33% novos usuários.

Considerando somente os provedores nacionais, em 2017, a TIM registrou crescimento 26,37%, com 85,87 mil novos contratos. A SKY vem depois, com aumento de 54,86 mil usuários (17,69%); a Claro entrada de 482,89 mil contratos (5,74%). A Vivo somou 108,14 mil (1,45%) a sua base de assinantes no ano passado. A Oi foi a única prestadora onde uma houve uma redução que chegou a 108,83 mil contratos, um percentual de menos 1,70%.

Para o presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), Eduardo Parajo, o resultado dos pequenos provedores já era esperado pelas empresas que atuam no setor. “A gente imaginava que haveria um aumento expressivo. E esses dados estão se confirmando”, disse Parajo à Agência Brasil. “Na verdade, para nós não surpreendeu essa informação, porque a gente já vem sentindo, junto a quem tem trabalhado mais no nicho de mercado, que está existindo uma alavanca boa de crescimento [para os provedores regionais]”, acrescentou.

Parajo lembrou que as empresas menores também lideraram os investimentos, no ano passado, em aumento das redes de fibras ópticas, o que melhora a velocidade de acesso, e que o aumento no número de contratos passa pela melhoria na prestação do serviço. “No ano passado, especialmente, até pela melhoria de tecnologia, estão colocando mais fibra ótica”, disse.

A expectativa da Abranet – que representa pequenos e médios provedores – para 2018 é que o mercado cresça em torno de 10%. “É um mercado crescente em regiões que não estão sendo bem atendidas pelas grandes operadoras, que a gente chama de sombra. Mas não é só uma sombra, tem outras regiões que estamos mais competitivos, principalmente no que diz respeito a levar a fibra ótica para algumas cidades”, disse.

De acordo com a associação, o crescimento pode ser maior se houver mais investimentos no seguimento e se o governo disponibilizar uma linha de crédito específica para pequenos e médios provedores. “Todo esse crescimento que estamos vendo hoje é financiado com recursos próprios dos provedores. Isso é um problema, pois poderíamos estar mais velozes nessa ampliação se tivéssemos aceso a financiamento com juros de mais longo prazo, dinheiro para investimento”, disse.

 

Sobre Agência Brasil

Agência Brasil
A Agência Brasil é a agência de notícias da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que distribui gratuitamente informações de interesse público. As notícias podem ser reproduzidas desde que citada a fonte.